top of page

Mercado de Importação de Eletrônicos

Saiba mais sobre a importação de eletrônicos no Brasil,  bem como as oportunidades e desafios que esse mercado oferece para as empresas brasileiras.


Como a dependência por produtos eletrônicos continua a crescer, a busca por novidades tecnológicas se torna cada vez mais evidente. Com a disparidade de preços entre o mercado nacional e o exterior, a importação de eletrônicos tem despertado interesse e dúvidas nos consumidores brasileiros.


Será que vale a pena importar eletrônicos da China ou do exterior devido seus preços serem menores do que no nosso país? A China continua sendo o principal país do qual importamos? Como a sua tecnologia e qualidade de produção tem evoluído e atraído grandes empresas? Qual o principal modal de importação para eletrônicos? 


Confira estas e outras respostas neste artigo para saber como sua empresa pode aproveitar ao máximo o mercado brasileiro de importação de eletrônicos e superar seus desafios.



O Crescimento da Importação de Eletrônicos

Com a constante evolução tecnológica e a busca por novidades, a importação de eletrônicos tornou-se uma prática comum para empresas que buscam oferecer produtos inovadores e competitivos no mercado brasileiro. 


A crescente demanda por eletrônicos de qualidade e preços acessíveis tem impulsionado a importação desses produtos, principalmente da China, uma potência reconhecida nesse setor. No entanto, o país asiático nem sempre teve reputação positiva no que diz respeito à sua qualidade de produção, o que vem mudando e evoluindo com o passar do tempo, como veremos a seguir.


A Ascensão da China no Mercado de Eletrônicos

Ao longo dos anos a China ficou mundialmente conhecida por fornecer produtos de péssima qualidade, ou seja, não era um mercado muito ‘’popular’’. Porém essa noção está sendo desconstruída desde a virada de 2000, em função do desenvolvimento do setor de tecnologia no país e o surgimento de marcas cuja qualidade compete fortemente com a de marcas provenientes dos Estados Unidos.


Dessa maneira, as importações de eletrônicos, principalmente da China, estão cada vez mais se tornando um padrão para as grandes empresas de tecnologia, e o principal fator está relacionado aos custos. Mesmo considerando as aplicações de tributos, ainda existem certas facilidades nessa questão implementadas pela maioria dos governos.

Uma grande empresa que utiliza bastante mão de obra na produção de eletrônicos é a famigerada APPLE, que foi uma das pioneiras ao transferir todas as suas operações para a China, sendo que apenas a tecnologia é introduzida nos Estados Unidos.


Essa mudança foi motivada por diversos fatores, incluindo custos de mão de obra mais baixos na China, a presença de uma cadeia de suprimentos altamente eficiente e a capacidade de escalar rapidamente a produção. Isso permitiu à empresa atender de forma mais eficiente à crescente demanda global por seus produtos, garantindo custos mais competitivos.


A estratégia de deslocar a produção para a China também influenciou outras empresas de tecnologia e eletrônicos a seguir o mesmo caminho, aproveitando as vantagens oferecidas pela mão de obra chinesa e a infraestrutura de fabricação.


É importante observar que, embora a produção em massa tenha sido transferida para a China, muitas empresas continuam a manter suas sedes, centros de pesquisa e desenvolvimento, bem como operações relacionadas à tecnologia e design nos Estados Unidos e em outros países, mas quem possui a grande fatia do mercado sem dúvidas é a China.


A mudança para a China é muitas vezes focada nas operações de fabricação devido às vantagens logísticas e econômicas que o país oferece.


Dessa forma, ao longo dos anos, a China conquistou destaque no fornecimento de eletrônicos, superando a antiga percepção de baixa qualidade e tornando-se uma potência tecnológica. 


O país oferece custos competitivos, uma cadeia de suprimentos eficiente e capacidade de produção em larga escala, atraindo empresas de renome, como a Apple, a transferirem suas operações para lá.



Escolha do Modal para uma Logística Eficiente

No contexto da importação de eletrônicos, a escolha do modal de transporte desempenha um papel crucial. O modal aéreo se destaca como uma opção popular devido à sua rapidez e segurança, especialmente no transporte de cargas que incluem baterias e outros componentes regulamentados pela IATA como artigos perigosos.


Combinando Modais de Transporte

Muitas empresas optam por dividir seus embarques entre modal aéreo e marítimo, utilizando o transporte aéreo para atender à demanda durante datas críticas, como lançamentos de produtos, devido à necessidade de rapidez no tempo de trânsito (transit time), enquanto o transporte marítimo é utilizado em outros momentos, devido ao maior tempo de trânsito.



Desafios e Estratégias no Mercado de Importação de Eletrônicos

A importação de eletrônicos apresenta desafios significativos, desde a escolha do modal de transporte até a adaptação às regulamentações locais e à competitividade do mercado. As empresas brasileiras que buscam prosperar nesse setor devem adotar estratégias eficientes e estar atentas às tendências do mercado.


O sucesso no mercado de importação de eletrônicos depende não apenas da escolha adequada do modal de transporte, mas também da compreensão das regulamentações locais, parcerias confiáveis e da capacidade de oferecer produtos que atendam às expectativas e padrões de qualidade do mercado brasileiro.



Sucesso no Mercado de Importação de Eletrônicos

Para prosperar no mercado de importação de eletrônicos, as empresas brasileiras devem investir em parcerias confiáveis, análise cuidadosa do cenário competitivo e adaptação às regulamentações locais. 


A capacidade de oferecer produtos que atendam às expectativas e padrões de qualidade do mercado brasileiro é essencial para o sucesso nesse setor dinâmico e em constante evolução.


O mercado de importação de eletrônicos oferece oportunidades significativas para as empresas brasileiras, porém, requer uma abordagem estratégica e adaptável. 


Ao compreender as tendências, investir em logística eficiente e manter o foco na qualidade dos produtos, as empresas podem se posicionar de forma competitiva neste setor em constante evolução.


Por Barbara Maia Niquelate – Analista de Pricing Aéreo



Comentarios


bottom of page